Brasil-Europa: Notícias atuais da organização de estudos de processos culturais em relações internacionais - A.B.E.

Brasil-Europa
Notícias atuais
Organização de estudos de processos culturais em relações internacionais
Academia Brasil-Europa (A.B.E.)
Instituto de Estudos da Cultura Musical do Espaço de Língua Portuguesa (I.S.M.P.S.e.V.)
 
 

Portal Brasil-Europa      Academia      I.S.M.P.S.      Revista     Contato     Impressum     Estatística

03.11.2017


Notícias do mês de outubro de 2017


20 anos do Centro de Estudos Brasil/Europa da A.B.E. e do Instituto de Estudos da Cultura Musical do Espaço de Língua Portuguesa (Institut für Studien der Musikkultur des portugiesischen Sprachraumes, ISMPS e.V.) - „reflexões de outono“. Em 1997, inaugurou-se, em Colonia, sob o patrocínio e com o apoio da Embaixada do Brasil na Alemanha, então na próxima cidade de Bonn, e em colaboração com a Universidade de Colonia e outras instituições, o Centro de Estudos Brasil-Europa da Academia Brasil-Europa e do ISMPS e.V..


Após ter sido local de vários eventos, seminários e colóquios, com a transferência da Embaixada a  Berlim e as transformações ocorridas nos estudos universitários com as „reformas de Bologna“, decidiu-se dar foco prioritário nos trabalhos ao desenvolvimento de pesquisas e a reflexões em atmosfera propícia à concentração, em liberdade relativamente ao quotidiano e à política universitária. Esse mudança de prioridades levou, em 2006, à transferência do centro a histórica villa localizada em região privilegiada do ponto de vista natural nas proximidades de Colonia.


Desde então, na sua biblioteca e nos seus arquivos, pesquisadores desenvolvem projetos de pesquisa e dali partem ciclos de estudos levados a efeito em várias regiões da Alemanha e em outros países.


Para celebrar essas duas décaas, decidiu-se possibilitar a vinda de brasileiros que, em duas ocasiões - na primavera e no outono - realizassem colóquios com membros da diretoria do centro e tecer com eles reflexões em viagens com membros da diretoria da instituições em diferentes contextos regionais.


O principal escopo desse projeto foi o de trazer informações e testemunhos da vivência pessoal de brasileiros do quotidiano e da realidade brasileira do momento ao desenvolvimento do pensamento, atualizando-o e fazendo com que a rememoração das realizações passadas servisse a um balanço e a prospecções para o trabalho futuro.


Dois ciclos foram programados, um na primavera e outro no outono de 2017. No sentido do programa Cultura/Natureza da A.B.E., ambos foram marcados pela experiência da natureza, do estado de espírito e das expressões culturais próprias respectivas estações do ano.


Momentos do programa:


Heidelberg/Baden-Württemberg. A mais antiga cidade universitária do território da atual Alemanha pelo „Ano Lutero“ - 30 anos de falecimento de Bruno Kiefer. A cidade de Heidelberg, no sudoeste alemão, às margens do rio Necker, foi escolhida como um pontos do programa de „reflexões de outono“ da A.B.E. em primeiro lugar por ser um dos principais centros universitários de renome internacional com  a sua Ruprecht-Karls-Universität, fundada em 1386. Em Heidelberg vários brasileiros realizaram estudos desde o século XIX.


Como antiga residência do Palatinado, a cidade possui considerável patrimônio arquitetônico e histórico-cultural, salientando-se, entre as suas instituições, o museu do Palatinado e o museu etnológico.


Sob o ponto de vista musical, em particular no „Ano Lutero“ de 2017, destaca-se a Hochschule für Kirchenmusik, uma vez que Heidelberg desempenhou importante papel na história da Reformação.


Uma particular consideração merece o fato de Heidelberg possuir uma Escola Superior de Estudos Judaicos, o que traz à consciência a importância da cultura judaica no passado da região e a história das perseguições e da emigração na década de 1930.


Procurada por visitantes de todo o mundo pela sua localização natural privilegiada pelas ruínas do seu palácio e pela bem conservada cidade velha, Heidelberg favorece contemplações e meditações, sobretudo na época do outono.


Nela deu-se continuidade,  entre outros aspectos, a estudos de relações com o Brasil levados a efeito em Baden-Baden em 2016 por ocasião de apresentação de obras de Villa-Lobos.


Essa retomada de reflexões foi motivada pela passagem dos 30 anos de falecimento de Bruno Kiefer, matemático, compositor, professor e autor de estudos musicais nascido em Baden-Baden e emigrado ao Brasil. Bruno Kiefer desempenhou significativo papel no intercâmbio Alemanha-Brasil, lembrando-se sobretudo a sua participação no I Congresso Brasileiro de Musicologia, realizado no „Ano Villa-Lobos“ de 1987. (Veja)


Munique/Baviera. Theatinerkirche - monumento arquitetônico e centro musical em relações com o Brasil: J.S.Bach na atualidade do „Ano Max Reger“ (2016) e a música contemporânea. A capital da Baviera, repetidamente considerada nos trabalhos da A.B.E. devido a seu significado para os estudos euro-brasileiros, deu impulsos na visita realizada em outubro de 2017 sobretudo à reflexões sobre dois complexos temáticos: o do movimento Bach nas suas extensões no Brasil e o significado dessas relações para os estudos da história da música contemporânea.


A Theatinerkirche ofereceu-se como um dos principais locais adequados para essas reflexões, uma vez que redespertou, em 2016, com concertos ali realizados, o interesse pela questão da influência da obra de Bach em compositores do século XX por ocasião dos 100 anos de morte de (1873-1916).


Dando-se continuidade aos estudos da recepção de Bach e do movimento Bach no Brasil, a atenção voltou-se  às Bachianas Brasileiras de Villa-Lobos, tema favorecido pela participação do mais significativo representante desse movimento no Brasil - Martin Braunwieser (1901-1991) nas preparatórias do I Congresso Brasileiro de Musicologia realizado no centenário de Villa-Lobos em 1987. (Veja)


Essas reflexões trouxeram à mente a necessidade de uma consideração desse movimento no contexto mais amplo das correntes e iniciativas que marcaram a história da música contemporânea no Brasil. A exigência de estudos mais abrangentes e diferenciados dessa história foi um dos temas discutidos no referido congresso com Paulo Affonso de Moura Ferreira, então presidente da Sociedade Brasileira de Música Contemporânea. Recordou-se, nesse contexto, a estadia desse pianista e promotor da música contemporânea no Brasil em Munique na década de 1980. (Veja)


Kochel am See e Zugspitze/Baviera. Contemplando à distância e das alturas paisagens e panoramas do passado de cooperações. Um das características dos empreendimentos realizados sob o signo do programa Cultura/Natureza da A.B.E. é o de, em diferentes contextos ambientais, aproveitando estados de espíritos favorecidos pela contemplação do mundo envolvente, encetar reflexões sobre determinados complexos temáticos de significado para os estudos euro-brasileiros. (Veja)


Os panoramas que se descortinam das montanhas pré-alpinas e alpinas favoreceram, no âmbito das reflexões de outono promovidas pela A.B.E., rememorações de desenvolvimentos das últimas décadas e, sobretudo, de intercâmbios com personalidades já falecidas. Entre elas, foram particularmente lembradas personalidades que se destacaram nas preparatórias e na realização do I Congresso Brasileiro de Musicologia, efetivado há 30 anos por ocasião do centenário de Villa-Lobos.


Lembrou-se, assim, de Dulce Martins Lamas (1941-1992) e das questões teórico-culturais relativas à interdisciplinaridade que marcaram os intercâmbios, assim como o seu papel na publicação de obra em homenagem a Luís Heitor Correa de Azevedo (1905-1992). (Veja) Este e outros pesquisadores com êle vinculados foram relembrados e voltaram a ser considerados em outros contextos e ambientes. (Veja)


Ettal/Baviera. 250 anos do Pe. José Maurício Nunes Garcia (1767-1830). O mosteiro beneditino de Ettal, remontante a 1330, é, com a sua história, acervo e monumental igreja - uma das obras máximas do Barroco -, assim como com o seu internato e programação cultural, um centro de particular relevância para os estudos culturais na Alemanha.


Com a visita ali feita pelos convidados brasileiros da A.B.E. na primavera e no outono do corrente ano, procurou-se marcar as comemorações dos 250 anos do maior compositor brasileiro do passado mais remoto, o Pe. José Maurício Nunes Garcia. Este ato simbólico deu continuidade a empreendimentos de 2016 levados a efeito sobretudo em Salzburg.


Esses trabalhos realizaram-se em ano de falecimento de um músico que contribuiu de forma significativa para o cultivo de obras do Pe. José Maurício na Alemanha, Rudolf Brauckmann (1930-2016), mestre-de-capela de Augsburg.


Essas reflexões não poderiam deixar de colocar em primeiro plano Cleofe Person de Mattos (1913-2002), principal estudiosa desse compositor e que desempenhou papel relevante nas cooperações internacionais, em particular também no I Congresso Brasileiro de Musicologia no centenário de Villa-Lobos em 1987. (Veja)


Lindlar/Reno do Norte/Vestfália. Museu ao ar livre de estudos de cultura da terra e do homem do passado e de ecologia como local de reflexões sobre a natureza na obra de Villa-Lobos. O museu ao ar-livre de Lindlar, pelo fato de relacionar estudos culturais da vida quotidiana, sobretudo rural do passado com aqueles do meio ambiente, vem sendo repetidamente local escolhido para colóquios da A.B.E.. Em outubro de 2017, foi local que deu impulsos ao tratamento da questão da natureza na obra de Villa-Lobos como fator de seu significado na atualidade.


Lembrou-se, neste contexto de Eurico Nazaré Nogueira França (1913-1992) que, em vários textos, expressou a sua preocupação com a presença de Villa-Lobos, chegando por fim a salientar que o papel desempenhado pela natureza na sua obra seria decisivo para a sua atualidade em tempos de lamentáveis destruições do meio ambiente. Neste sentido, lembrava Gilberto Freire (1900-1987) na sua expressão „cantor do universo tropical“ aplicada a Villa-Lobos e que abre perspectivas múltiplas de interpretação. (Veja)


Colonia/Reno do Norte/Vestfália. Schubert na missa solene da festa de Sta. Ursula, Schubert em Salzburg e o Schubertchor na vida musical de São Paulo. Encerrando o ciclo de outono com participantes brasileiros convidados da A.B.E., presenciou-se missa solene na igreja românica por ocasião da semana de festas de Sta. Ursula, uma das mais veneradas santas de Colonia. Nela executou-se a missa em do maior op. 48 de Franz Schubert.


Mais do que a consideração do significado da veneração de Ursula e suas companheiras para Portugal, África e Brasil, já estudado em outras ocasiões, a execução da obra de Schubert veio ao encontro da comemoração dos 20 anos do Centro de Estudos Brasil-Europa em Colonia, inaugurado que foi no „Ano Schubert“ de 1997.


Essa circunstância favoreceu a lembrança do papel de Schubert para a identidade austríaca e da „alemanidade“ em geral, também e sobretudo entre os austríacos de São Paulo. Lembrou-se do papel relevante exercido pelo Coro Schubert na vida musical paulista dos anos de 1920 e 1930, assim como do cultivo da sociabilidade alemã no „espírito de Schubert“ , uma vez que aqui se estabelecem paralelos e interações com a valorização da função social da música no Brasil entre os pensadores da época. (Veja)



_____________________________________________________________





5.08.2017


Notícias do mês de julho de 2017


Innsbruck. Arte do Órgão em St. Jakob. Internacionale Meisterorganisten 2017 e a pesquisa do órgão no Brasil. Com um concerto do organista Bernhard Haas, de Munique, encerrou-se, no dia 1 de julho série de recitais na igreja de St. Jakob, na cidade austríaca as de renome internacional como Lorenzo Ghielmi (Milão), Andrés Cea Galán (Sevilla), Adriaan Hoek (Amsterdam), Karin Nelson (Oslo) e Olli Pvylampi (Helsinki). Esse evento da Internationale Meisterorganisten 2017 foi motivo de visita de pesquisadores e convidados brasileiros da A.B.E. à cidade austríaca. O objetivo do programa foi o de trazer à lembrança os principais momentos da história da pesquisa do órgão nas suas relações com os estudos de processos culturais em relações Europa-Brasil das últimas décadas. Procurou-se realizar um balanço das atividades e do estado atual da pesquisas, indagando prioridades para o futuro.


Rothenburg ob der Tauber. Música para órgão e - orquestras jovens - Alemanha e Brasil. Uma das estações do programa desenvolvido para convidados brasileiros da A.B.E. foi a cidade histórica de Rothenburg ob der Tauber. Para além de considerar-se o significado dessa cidade para a imagem da Alemanha no Brasil, em particular através da pintura, da literatura e do turismo, tratou-se da prática organística nas igrejas locais, na qual se distingue Jasmin Neubauer, e do trabalho musical junto à juventude desenvolvido pela orquestra de instrumentos de sopro juvenil municipal sob a direção de Jan-Peter Scheurer. Nessa ocasião, foram considerados momentos da história da prática orquestral para jovens no Brasil inserindo-a no contexto mais amplo dos desenvolvimentos internacionais de décadas passadas e do presente.


Da correspondência


Bruxelas. Execução de partituras do acervo da Bibliothèque royale de Belgique. Concerts de midi 2017-2018. Para a sua estação de concertos de meio-dia de 2017-2018,  a biblioteca real da Bélgica, que vem colaborando de forma significativa com pesquisas referentes ao Brasil, oferece uma série de apresentações que representa uma „viagem imaginária ao coração das partituras conservadas na instituição“. A série tem o título de „Trésors musicaux de la Bibliothèque royale de Belgique“.A biblioteca une, assim, pesquisa de fontes e realização sonora, dando continuidade ao intento que vem caracterizando as suas atividades. Entre os artistas participantes, destacam-se Sarah Laulan e Mara Dobrescu, o trio Amethys, Guido de Neve e Frank Agsteribbe, Vinciane Bauhuin, Annelies Decock, Ingrid Bourgeois, Wendy Ruymen e Ronan Keernoa. Alguns concertos realizam-se com a participação da Chapelle Musicale Reine Élisabeth.


Porto. „Un dia, una arquitecta - Alda Maria da Costa Pereira y Santos“. A arquiteta portuguesa Alda Santos, que estreitamente coopera com os trabalhos euro-brasileiros a A.B.E., foi foco de artigo de Silvina Barraud que salienta a sua personalidade e obra. No centro das atenções encontra-se o seu texto "Alda Santos, sobre a edificação de um Espaço Português, em Honolulu, Hawaii", escrito em 2010. Este texto resultou de pedido do editor desta revista para que fornecesse mais dados a respeito do projeto do padrão português e o seu pavimento que se encontra naquela cidade do Hawai. Ao fazê-lo, descobriu que o espaço doado, de facto, tem a medida e proporção do escudo português - 6 X 7; 7x8.  A réplica do Padrão é uma oferta do governo português, em resposta ao pedido dos descendentes de portugueses.. O pedestal, é da autoria do arquiteto luso-havaiano (da família real havaiana e já falecido) George H. Dias Kekoolani JR. Alda Santos é autora do desenho do pavimento. Procurou integrar o retângulo doado à comunidade portuguesa, adequando-o à mesma quota do pavimento da alameda e sem muros envolventes. Isso porque entende ser o modo dos portugueses chegar e aderir à realidade sem contudo perder a sua identidade. A calçada portuguesa, em pedra de calcário e basalto, foi executada por artesãos idos de Portugal. „Un dia/una arquitecta“ é  um grupo que a partir de trocas-de-idéias e atividades previas realizadas em conjunto decidiu realizar um projeto voltado à valorização do trabalho de arquitetas no decorrer da história nos seus diferentes aspectos: projeto arquitetônico, urbano e paisagístico, tecnologia, curadoria e publicações, além de atividades políticas, de gestão, teóricas e de ensino.


Rio de Janeiro. Crowdfunding de livro sobre D. Antonio de Orleans e Bragança. O Instituto Cultural D. Isabel I a Redentora  e a Linotipo Digital anunciam o crowdfunding do livro"O Príncipe Soldado:a curta e empolgante vida de D. Antonio de Orleans e Bragança" da historiadora Teresa Malatian.A pesquisa trata da vida do filho mais novo de D. Isabel, neto caçula de D. Pedro II. Com fotografias raras, o leitor viajará pelos muitos países que D. Antonio visitou. Este aprendeu a pilotar com Alberto Santos-umont e tomou parte na Primeira Guerra Mundial. O prefácio da obra é do historiador-decano da UnB, Professor Estêvão de Rezende Martins. D. João Henrique de Orleans e Bragança é autor de um texto em homenagem ao tio-avô, que aprendeu a pilotar com Alberto Santos-Dumont e acabou por se tornar herói na Primeira Guerra Mundial. A apresentação e a contracapa do livro são dos historiadores Bruno Antunes de Cerqueira, indigenista da Funai, e Robert Daibert Jr., professor de Ciência da Religião na UFJF. https://www.kickante.com.br/campanhas/livro-o-principe-soldado

 

________________________




05.07.2017


Notícias do mês de junho de 2017


Maria Laach/Alemanha. 40 anos da fundação do Instituto de Estudos Hinológicos e Etnomusicológicos da organização pontifícia de música sacra CIMS e o Brasil. Convidados brasileiros da A.B.E. realizaram uma visita à Abadia de Maria Laach e à casa que abrigou, até 2003, o Instituto de Estudos Hinológicos e Etnomusicológicos da Consociatio Internationalis Musicae Sacrae.


A visita deu-se em ano que se rememora a fundação do instituto em 1977. Desde o último evento ali realizado, a sessão pelos 25 anos da instituição em 2002, brasileiros não mais ali estiveram, apesar de ter sido um local de grande importância para o desenvolvimentos dos estudos relacionados com o Brasil.


A abadia beneditina às margens do lago - Abbatia ad Lacum ou Abbatia Lacensis - é um dos grandes monumentos da arquitetura românica da época dos Salier da Alemanha e remonta aos anos de 1093 a 1216. Particularmente significativo é o espaço de entrada na sua parte oeste, o assim chamado Paradies, único nas suas características na Europa acima dos Alpes.


A Abadia é um dos principais centros do cultivo do Canto Gregoriano na Alemanha. As suas horas do Ofício, missas solenes e os concertos ali realizados são assistidos por extraordinário número de pessoas. Maria Laach é também centro de peregrinação e mesmo de turismo cultural, procurada pela atmosfera meditativa e de erudição que oferece.


O instituto era instalado não no mosteiro, mas na Villa Reutter, uma residência situada nas encostas florestadas que rodeiam a abadia. Na visita, lembrou-se da razão da fundação, do contexto das preocupações da pesquisa e das reflexões no âmbito internacional e eclesiástico de meados da década pós-conciliar e do papel desempenhado pelo Brasil. Os objetivos da instituição foram considerados em função de seus três departamentos: Etnomusicologia, Hinologia e Gregorianística.


Considerou-se os pressupostos brasileiros que levaram a que o departamento de Etnomusicologia fosse confiado a um brasileiro e as consequências dessa nomeação. Foram lembrados os muitos eventos que dali partiram ou que ali tiveram lugar com a participação da Embaixada do Brasil na Alemanha e pesquisadores brasileiros.


Recordou-se em particular as edições do Simpósio Internacional „Música Sacra e Cultura Brasileira“ ali realizadas em 1989 e 1999, esta última por motivo da passagem dos 500 anos do Descobrimento do Brasil.



Bonn/Alemanha. O Brasil nos estudos musicológicos da Friedrich-Wilhelms-Universität Bonn: 15 anos. Convidados brasileiros da A.B.E. realizaram uma visita a Bonn em junho do corrente ano na série de cidades e das instituições percorridas durante a sua estadia. Na antiga capital da Alemanha situa-se a Universidade Friedrich-Wilhelms, uma das mais tradicionais do país.


Foi fundada em 1818 pelo rei Friedrich Wilhelm III da Prússia, que governava a Renânia desde 1815. A Universidade foi a terceira fundação superior prussiana no espírito de Wilhelm von Humboldt, seguindo-se à de Berlim e à de Breslau. O regente quis com esse ato vir de encontro aos renanos que tinham preferido a soberania prussiana à restauração da antiga ordem política na região.


Grandes personalidades da história, da política, da cultura, das ciências e das artes da Alemanha por ali passaram.  Na cidade que abriga a casa de Beethoven e o túmulo de Schumann, a música não poderia deixar de ser particularmente considerada.


Assim, o fato da música do Brasil e da musicologia brasileira terem estado representadas na universidade adquire particular relevância. Instituições de Bonn tiveram já há muitas décadas elos com o Brasil e ali se formaram pesquisadores que atuaram no país.


Importante evento foi o Congresso Internacional de Música Sacra em 1979, no qual tomaram parte vários especialistas do Brasil. Ali nasceu a proposta de realização do Simpósio Internacional „Música Sacra e Cultura Brasileira“ em São Paulo, em 1981, evento que abriu uma série de eventos dedicados ao tema. De 2002 a 2005, realizaram-se na Universidade cursos e seminários dedicados a compositores e a temas relacionados com a música no Brasil.


Em aulas assistidas por centenas de estudantes no auditório magno da Universidade, foram considerados compositores como José Maurício Nunes Garcia, Antonio Carlos Gomes, e Heitor Villa-Lobos. Estudantes de musicologia da Universidade tomaram parte em colóquios realizados no Brasil, destacando-se aquele voltado a estudos interculturais por ocasião dos 450 anos de São Paulo.


Colonia/Alemanha. Visita brasileira à Catedral de Colonia e a seu campanário promovida pela A.B.E. Entre os locais de alto significado cultural visitados pelos brasileiros convidados da A.B.E. em junho de 2017, salientou-se a Catedral de Colonia e os seus sinos.


A visita a esse principal monumento arquitetônico da cidade às margens do Reno e um dos mais importantes da história da arquitetura européia teve como objetivo trazer à lembrança o papel desempenhado pela catedral no intercâmbio cultural e científico relacionado com o Brasil das últimas décadas.


Abrigando o relicário dos Três Reis Magos, já em si obra de arte de inestimável valor, a consideração teológica e antropológico-cultural dos três magos do Oriente não podia deixar de ser o principal foco das atenções. Foi o complexo de significados dos três magos/reis que, tratados em encontros e estudos na década de 1970, permitiu revelar sentidos intrínsecos de várias expressões tradicionais brasileiras.


Ponto alto da presença do Brasil na Catedral foi o concerto de órgão ali realizado para o encerramento do Congresso Internacional „Música e Visões“, em 1999, evento que abriu um triênio de empreendimentos científico-culturais pelos 500 anos do Brasil. Nesse concerto apresentou-se um repertório exclusivamente brasileiro, soando pela primeira vez o Hino Nacional na Catedral de Colonia.


Após a visita, subiu-se à torre, cujos sinos adquirem grande significado nos estudos campanológicos. O maior e mais famoso sino do campanário da catedral é o „sino de S. Pedro“, chamado popularmente „der dicke Pitter“. Esse sino é o substituto do „sino imperial“ fundido por ocasião da Primeira Grande Guerra.


A problemática da fundição de sinos europeus para a produção de armas durante as guerras foi tratada. A Catedral possui um dos mais antigos jogos de sinos da Europa: o sino de Angelus e o sino da Transsubistanciação, fundidos no ano de 1322.



Bayreuth/Alemanha. Visita brasileira à cidade da Casa de Festivais, centro do Wagnerianismo. Entre os muitos pontos que constituiram o programa de visitas dos brasileiros convidados pela A.B.E. em junho de 2017, incluiu-se a cidade de Bayreuth. Procurou-se, com essa visita, salientar o significado dessa cidade tão vinculada ao nome de Richard Wagner para o Brasil no século XIX.


Os elos entre Wagner, a Casa de Festivais e o Brasil foram objeto de estudos primeiramente em 1976, seguindo-se outras estadias e trabalhos. Em particular considerou-se as relações de D. Pedro II com o movimento wagneriano, assim como as extensões da música e das concepções de Wagner no Brasil. Com base nos artigos publicados na Revista Brasil-Europa, os visitantes puderam obter in loco uma impressão do contexto em que se criou a Casa dos Festivais.


Wackersberg e Bad Tölz. Procissões de Corpus Christi na Baviera em comparações com as do Brasil. Possibilitar um contato mais próximo com a cultura tradicional alemã foi um dos objetivos do programa realizado por brasileiros convidados pela A.B.E. em junho de 2017. Um ponto alto das expressões culturais presenciadas foi, neste sentido, a procissão de Corpus Christi na localidade de Wackersberg, próxima a Bad Tölz, na Baviera.


Essa procissão impressiona pela grande número de participantes em trajes regionais que percorrem as ruas e os campos. Considerou-se a história da procissão na Idade Média, o seu significado teológico e cultural, a sua extensão a outros países e o seu significado no Brasil. Em cotejos com procissões brasileiras, foram consideradas similaridades e diferenças.


O programa incluiu também a presenciação de uma „noite da terra natal“ no balneário de Bad Tölz, quando os visitantes tiveram a oportunidade de ouvir músicos regionais e apresentações de danças bávaras, tais como a do chicote e a de arcos.


Da correspondência


Porto Alegre. Publicação dos Anais do Sefim. Publicou-se o primeiro dos quatro volumes com os trabalhos apresentados durante o Seminário de Estética e Filosofia da Música em 2016 na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. A obra é aberta com um editorial de Raimundo Rajobac. A publicação contm os seguintes artigos:


Descartes, música e as paixões: um diálogo de época - Descartes, music and passions: a dialogue of an epoch; Tiago de Lima Castro// Rousseau contra a música francesa - Rousseau against french music; Daniela Fátima Garcia// As regras e o gênio no processo de criação artística - The rules and the genius in the artistic creation process; Gerson Luís Trombetta// O grito: imagem e manifestação musico-filosófica nas obras de Richard Wagner - The Cry: image and musical-philosophical manifestation in Richard Wagner’s thoughts and Works;Daniel Salgado da Luz Moreira// A música instrumental como ideal romântico - The instrumental music as romantic ideal; Reginaldo Rodrigues Raposo// Tristão e Isolda, Arthur Schopenhauer e Richard Wagner: Música e essência em forma de ópera - Tristan and Isolde, Arthur Schopenhauer and Richard Wagner: Music and essence in the form of opera;

Sidnei Oliveira//"Tocata e fuga em ré menor" numa perspectiva do Nascimento da tragédia no prisma da filosofia de Nietzsche - Toccata and Fugue in D Minor in perspective of Tragedy in Birth under the prisma of Nietzsche philosophy; Joaquim Antonio Carvalho Filho, Daniel Henrique Baier//A ideia como objeto da arte e o belo na multiplicidade de suas manifestações - The idea as object of art and the beauty in the multiplicity of it’s manifestation;

Caio Miguel Viante, Manuel Moreira da Silva// Hipérion: musicalidade no nascimento de uma nova era - Hipérion: musicality in the birth of a new age; Gabriela Nascimento Souza// Tonalidades Afetivas e Música: caminhos em direção à arte musical no pensamento de Martin Heidegger - Attunement and Music: pathways towards musical art in the philosophy of Martin Heidegger;Victor Di Francia Alves de Melo// Notas sobre algumas passagens da obra de Husserl sobre a percepção musical - Notes about some excerpts of Husserl’s work about musical perception; José Luiz Furtado//As considerações de Gadamer sobre a mimesis e as suas implicações para a arte musical - The Gadamer’s accounts of mimesis and its implications for the musical art; Danton Oestreich// Notas de programa – Écfrase com implicações hermenêuticas na experiência estética do ouvinte - Program Notes – Ekphrasis and Hermeneutic Implications for the Aesthetic Experience of the Listener;Marcos Krieger// Música e imaginário na ótica de Sartre - Music and imaginary in the perspective of Sartre;

Abraão Carvalho Nogueira//Música surrealista – considerações sobre a leitura de Adorno para a música de Kurt Weill e sua influência em seu conceito de ‘música utilitária’ - Surrealist music – remarks about Adorno’s comprehension of Kurt Weill’s music and its impact over his conce; Vinicius Marques Pastorelli// A música no pensamento de Merleau-Ponty - The music on the thought of Merleau-Ponty; Paulo Vinícius Amado//Vilém Flusser, Jair Rodrigues e a Música como Metáfora - Vilém Flusser, Jair Rodrigues and Music as a Metaphor;Marta Castello Branco// Roland Barthes: A música como linguagem do corpo - Roland Barthes: Music as a corporal language; Charlotte Caroline Riom// Esclarecimento gramatical, método de verificação e jogos de linguagem: um ensaio sobre Wittgenstein e Schoenberg - Grammatical clarification, verification method and language games: an essay on Wittgenstein and Schoenberg; Antonio Herci Ferreira Júnior, Edson Leite//A canção como vetor identitário: experiência musical no Ocidente e no mundo globalizado - The Song as an identy vector: musical experience in the West and in the globalised world; Monclar Valverde// Apontamentos sobre as estéticas do(s) rock(s) brasileiro(s) nos anos 1970 - Notes about the aestheticims of the Brazilian(s) rock(s) in the 1970’s; Victor Henrique de Resende//Vanguarda, mercado e o lugar da Tropicália - Avant-garde, market and the place of Tropicália;Pedro Martins.


_____________________________________________________________



25.06.2017


Notícias do mês de maio de 2017


Cairns/Austrália. Valorização de florestas como patrimônio natural e cultural - a Kuranda Rainforest em comparação com a Serra do Mar - ferrovia e o Skyrail. No âmbito do projeto Cultura/Natureza da A.B.E., visitou-se a cidade australiana de Cairn e sua região pelo interesse para os estudos brasileiros dos projetos ali desenvolvidos relativos ao trópico úmido e às culturas indígenas.


Fundada oficialmente apenas em 1876, Cairn - denominada segundo o governador Sir William Wellington Cairns - a cidade localiza-se em região que havia sido habitada há séculos por aborígenes. A procura de ouro marcou a história colonial, seguindo-se a exploração de outros metais, da madeira e plantações de açúcar.


A exportação de produtos do altiplano pelo porto de Cairn foi possibilitada por uma ferrovia cuja construção exigiu extraordinários esforços. Sob muitos aspectos a história local, as condições ambientais e a estrada de ferro pelas montanhas em direção ao porto lembram situações brasileiras, entre outras aquelas de Santos/SP. Neste sentido, Cairns e o seu altiplano surgem como exemplares no sentido de conservação e valorização da natureza, da cultura indígena e do empreendimento técnico que foi o da construção da ferrovia.


Hoje, a subida de trem histórico à aldeia de Kuranda constitui uma das principais atrações de Cairn. O brasileiro que conheceu a subida de Santos ao alto da serra da São Paulo Railway sabe, porém, que o Brasil contou com uma obra técnico-ferroviária de muito maior interesse histórico, com extraordinárias obras de arte de engenharia e que possibilitava extraordinárias experiências da mata atlântica, oferecendo incomparáveis panoramas.


Cairn traz à consciência que não apenas estações ou localidades marcadas no passado pela ferrovia merecem ser conservadas. O trajeto pela serra, com as suas pontes e túneis - e no caso do Brasil do sistema de cremalheiras - constitui o principal elemento a ser valorizado em projeto amplo de valorização do patrimônio histórico-técnico e natural.


A valorização da floresta como bem é ainda acentuada no caso de Cairn pelo fato de ter-se construído o Skyrail Rainforest Cableway, um teleférico que, cobrindo grandes extensões, liga a planície com o planalto por cima das copas das árvores.


Em estações intermediárias, o viajante pode tomar contato com diferentes aspectos do meio ambiente e visitar cachoeiras. O Skyrail é visto como a mais bela experiência de floresta tropical do mundo. É celebrado como o primeiro grande projeto de turismo de meio ambiente e, em particular, de vivência da floresta tropical.


Da correspondência


Petrópolis. Relações dinásticas no Brasil. O Instituto Cultural D. Isabel I a Redentora comunica a realização, no Museu Imperial, do curso „Relações dinásticas no Brasil oitocentista: genealogia e história“, assim como a exposição „Casamentos e relações dinásticas no Brasil Imperial“ no dia 20 de maio de 2017. O evento é apoiado pelo Museu Imperial - Ibram - MinC e pela Universidade Católica de Petrópolis.


Lisboa. Concerto Amigu di Macau no Museu do Oriente. Realizou-se, no dia 27 de maio, um concerto com canções chinesas, portuguesas e macaenses da associação Amigu di Macau no auditório do museu da Fundação Oriente. O Amigu di Macau nasceu em 2002, tendo sede em Toronto. Conta hoje com 450 membros ativos. Sendo a música capaz de superar obstáculos da língua, o gruipo musical elegeu-a como veículo principal de seu trabalho. Nele, utiliza instrumentos chineses para a interpretação de extenso repertório, utilizando-se principalmente do patuá em memórias e canções. Procura assim manter vivo o dialeto que é fundamental para a identidade macaense. Traz à lembrança, assim, que à comunidade macaense dispersa pelo mundo cabe um papel vital na preservação e promoção da sua cultura, única no mundo por ser proveniente do cruzamento de duas antigas culturas, a chinesa e a portuguesa.


_____________________________________________________________



25.06.2017


Notícias do mês de abril de 2017


Singapura. Exemplaridade na valorização da Natureza e do paisagismo a serviço da qualidade de vida. A cidade-jardim transformada em cidade no jardim. No âmbito do programa Cultura/Natureza da A.B.E. tem-se considerado parques, jardins e soluções paisagísticas em regiões e cidades de vários países do mundo, relacionando-as com o Brasil. Muitos relatos dessas visitas foram divulgados na Revista Brasil-Europa.


Também Singapura foi já considerada nesse programa, tendo sido visitada em diferentes ocasiões. Sempre pôde-se constatar o significado emprestado ao meio ambiente, ao estudo e à fruição da natureza nessa cidade-país.


Em visita realizada no corrente ano, Singapura revelou-se mais uma vez como uma das mais exemplares cidades do globo relativamente ao cuidado com o meio ambiente, à arborização e ajardinamento de ruas, praças e mesmo rodovias. A natureza tropical é celebrada como um bem patrimonial, sendo mesmo os mais reduzidos espaços de entre-vias e passagens plantados com arbustos e flores, as grandes árvores das estradas e vias públicas ornamentadas com orquídeas.


Não há cidade no mundo que possa ser comparada com Singapura no concernente a essa cultura paisagística e que se reflete na qualidade de vida de seus habitantes. Nem mesmo Vancouver no Canadá - também cidade modelar neste sentido - pode ser comparada a Singapura. Enquanto que em muitas cidades e regiões cortam-se grandes árvores sem maiores critérios por motivos nem sempre bem fundamentados de segurança, ali é a arborização conservada e mantida na sua pujança, transformando o meio urbano em santuário ecológico, um papel que é e que deveria por êle ser desempenhado em época na qual regiões suburbanas e rurais são ocupadas por depósitos e fábricas, desperdiçadas sem controle e deterioradas.


Se o conceito de cidade-jardim é já antigo na história do paisagismo, tendo-se aqui sempre se destacado a Inglaterra, - e também conhecido no Brasil na configuração de bairros -, Singapura transformou essa concepção no sentido de „cidade em jardim“. Essa transformação constitui parte de uma estrategia governamental anunciada em 2005 pelo Primeiro Ministro de Singapura, Lee Hsien Loong. Essa estrategia partiu do princípio de que o verde é fator primordial para a qualidade de vida do homem.



Singapura: Música brasileira nos shows de luz e som dos Gardens by the Bay. O principal objetivo da consideração de Singapura sob o signo dos estudos euro-brasileiros de 2017 foi o da visita dos Gardens by the Bay. Trata-se de uma área aterrada de 101 hectares transformada em parque à beira mar junto à Marina. O projeto vencedor de um concurso internacional previu a formação de duas áreas, a Bay South Garden e a Bay East Garden. Este último foi criado para os jogos olímpicos de 2010.


O primeiro, porém, adquire maior interesse para o projeto Cultura/Natureza da A.B.E.. Ali se encontram grandes estruturas de metal e vidro que, em renovação da tradição de pavilhões das grandes exposições e jardins botânicos britânicos conservam biotopos de diferentes regiões e contextos climáticos da terra, seja da área mediterrânea, seja de regiões semi-sêcas. Várias espécimes da América do Sul são ali cultivadas.


De particular interesse é a grande estrutura envidraçada da Cloud Forest, onde se criou uma floresta de zonas altas dos trópicos. Para isso, edificou-se uma torre em forma de montanha que abriga várias espécimes vegetais.


A interrelação entre o construtivo e o vegetal se revela no conjunto de árvores artificiais gigantescas distribuidas pelo parque, cujas estruturas de aço atingem 50 metros de altura. Meios técnicos avançados criam chuvas, irrigações, névoas e servem ao controle climático. Essas torres são objetos de shows de luz e som. Constatou-se que nesses shows - que constituem hoje uma das atrações turísticas de Singapura - a música popular brasileira desempenha importante papel.


Brisbane/Australia. James Morrison e a celebração da música popular brasileira. A cidade de Brisbane, a capital do estado de Queensland, não é conhecida apenas pelas suas praias, pelos seus surfistas e pela sua natureza tropical, mas sim também pela sua universidade e pela sua vida cultural. A música desempenha nela importante papel.


O Brasil encontra-se representado por músicos brasileiros e australianos que ali atuam, salientando-se aqui James Morrison com o seu quinteto. De renome internacional, James Morrison destaca-se pela sua virtuosidade jazzística na execução de vários instrumentos, entre êles trompete, trombone, eufonio, saxofone e piano. Estudou no Conservatório de New South Wales em Sydney, publicando o seu primeiro album em 1984. Atuou nos jogos olímpicos de Los Angeles nesse ano e realizou uma tournée pelos EUA em 1987. Na Europa, tornou-se conhecido sobretudo pela sua participação no Jazz Festival de Montreux, em 1988.


Em concertos, James Morrison salienta a sua grande admiração pela música popular brasileira e o significado de Antonio Carlos Jobim (1927-1994) para o seu desenvolvimento artístico. Em palavras encomiásticas descreve a personalidade e a importância da obra do compositor, surgindo como um dos grandes valorizadores da música e da cultura do Brasil no Exterior, em particular na Austrália. Também os músicos que com êle atuam co-participam desse empenho valorizador do Brasil. Entre êles, destaca-se Olivia Chinamo, cantora de extraordinárias qualidades vocais.



Da correspondência



Lisboa. Chinese Music and Musical Instruments. Enio de Souza comunica a realização da segunda conferência de Lisboa de título Chinese Music and Musical Instruments nos dias 8 e 9 de maio no Centro Científico e Cultural de Macau, Rua da Junqueira, 30.  Nesta segunda edição da Conferência de Lisboa foram abordados temas como a história do Sheng e do Guqin; a notação musical na China antiga; o xamanismo; o taoísmo; a produção discográfica durante o período da Revolução Cultural; infraestruturas culturais em Macau nas décadas de 80 e 90; ensino e performance da música chinesa em Macau; patrimônio cultural intangível na República Popular da China e a música chinesa e a globalização.

 

A conferência previu a participação de etnomusicólogos e investigadores como Andreas Steen (Denmark), François Picard (France), Frank Kouwenhoven (Netherlands), Frederick Lau (Hawaii); Helen Rees (USA), Leung Hio Ming (Macau, RAEM); Stephen Jones (United Kingdom), Xiao Mei (People's Republic of China). De Portugal, contou com a participação da investigadora Shao Ling e dos doutorandos Enio de Souza e Leonor Dias Azedo.

 

Paralelamente à conferência realizou-se um recital de Sheng e Guqin, por dois músicos do Conservatório de Shanghai, Chen Jiannan e Lu Xiaozi. Previu-se a exibição do filme Li Manshan: Portrait of a Folk Daoist (80 min.), de Stephen Jones e uma mostra de aquarelas Sizhu, Silk and Bamboo: Chinese Musical Instruments, de Mariot Leitão.

 

A conferência é uma organização conjunta do Centro Científico e Cultural de Macau (MCTES), do Instituto de Etnomusicologia – Música e Dança da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa e do Instituto Confúcio/Universidade de Lisboa, sendo o apoio científico garantido pela CHIME – European Foundation for Chinese Music Research.

 

A iniciativa contou com o apoio do Museu Nacional da Música, do Instituto de Medicina Tradicional e, como patrocinador principal, a Fundação Jorge Álvares.


_____________________________________________________________



14.04.2017


Notícias do mês de março de 2017


Malaca/Malásia. Memória e presente da cultura portuguesa em Malaca à luz de questões do presente relativas ao Islão. O Instituto de Estudos da Cultura Musical do Espaço de Língua Portuguesa (ISMPS) promoveu uma visita a Malaca, importante porto conquistado pelos portugueses no século XVI. Além dos monumentos históricos e museus do centro histórico da cidade, visitou-se a colonia portuguesa ou de ascendência portuguesa residente em bairro de pescadores. Aqui considerou-se grupos culturais e o museu ali estabelecido. Poucos são aqueles que ainda falam ou compreendem o português. Mesmo assim, é fato sempre surpreendente que o idioma tenha-se conservado após tantos séculos. O objetivo do projeto foi o de dar continuidade a estudos relativos à presença portuguesa em Malaca, atualizando-os à luz de problemas relativos ao Islão no presente. Significativamente, em Malaca, aos pés da antiga igreja, hoje em ruínas, e na área da antiga fortaleza Formosa, encontra-se um museu do Islão no mundo. Os resultados dos estudos serão apresentados na Revista Brasil-Europa.


Darwin/Austrália. Memória das guerras no passado recente de Timor Leste e da participação australiana. Timor Leste é uma das regiões marcadas pelos portugueses no mundo que mais dificuldades apresenta aos estudos culturais. A situação da pesquisa e das reflexões é, assim, insuficiente sob muitos aspectos. As destruições causadas pelos conflitos das últimas décadas do século XX no âmbito de movimento revolucionário e da ocupação indonésia levaram a um quase que absoluto apagamento de traços mais evidentes do passado português secular e de fontes. Nessa situação, estudos indiretos, realizados em outras regiões - não só em Portugal - adquirem particular importância. Esse fato acentua-se sobretudo no caso da história mais recente e para a qual o testemunho de estrangeiros pode contribuir à sua reconstrução. Esse é o caso dos australianos que participaram das forças internacionais enviadas a serviço do processo pacificador. Compreensivelmente, encontram-se fontes no âmbito militar, salientando-se aqui o grande museu da aeronáutica da cidade de Darwin, no norte da Austrália e que desempenhou importante papel nas ações internacionais.


Se os estudos desenvolvidos em Malaca voltaram-se ao confronto entre o Cristianismo levado pelos portugueses a região que vivenciou a expansão islâmica nos séculos XV e XVI, a atenção, em Darwin, dirigiu-se aos intentos de reescrita da história e apagamento do passado por parte da Indonésia, a maior nação islâmica do mundo. Essa focalização baseou-se em testemunhos de Graeme Ramsden, capelão militar católico e que registrou os fatos que vivenciou em livro editado em 2011. (Letters from Timor: A Chaplain‘s Tour of Duty, Sydney: Big Sky, 2011). Esse livro oferece valiosas informações relativas ao papel desempenhado por instituições católicas, em particular a de Salesianos. Os resultados dos estudos seram apresentados na Revista Brasil-Europa.


Benoa/Indonésia. Atualização de estudos referentes à cultura musical balinesa por ocasião do Galungan de 2017. Música e dança de Bali sempre desempenharam um papel de extraordinária importância nos estudos musicológicos, sistemáticos e etnomusicológicos.


Compreensivelmente, foram objeto de especial consideração quando da introdução da Etnomusicologia nos estudos superiores de música no Brasil em 1972. Esses estudos tiveram prosseguimento em institutos europeus e levaram a pesquisas de campo em Bali. A extraordinária riqueza da música e da dança nas suas relações com a linguagem de imagens exigem uma renovação de aproximações a partir do desenvolvimento dos estudos de processos culturais mais recentemente desenvolvidos no âmbito da A.B.E..


Considerando que esse excepcional patrimônio cultural é estreitamente relacionado com o hinduísmo, pareceu ser oportuno observar a situação atual à luz do fortalecimento e da expansão do Islão no presente. As observações tiveram lugar à época do Galungan, a mais importante festa dos hindús de Bali. Trata-se de uma celebração em honra do Criador do Universo e dos espíritos dos ancestrais, davitória do bem (Dharma) sobre o mal (Adharma). Uma particular atenção - o que já ocorrera em pesquisas de campo anteriores - foi dada à figura do barong. Percorrendo ruas e indo de casa em casa, essa representação simbólica exerce importante papel também na lúdica infantil.Os resultados dos estudos seram apresentados na Revista Brasil-Europa.


Da correspondência


Bruxelas. A seção de música da biblioteca real da Bélgica realizou, no dia 17 de março, no Auditório Arthur De Greef, concerto da altista Hèlène Desaint e do pianista Thibaud Epp. O concerto contou com a colaboração da Chapelle Musicale Reine Élisabeth. Entre as obras apresentadas, destacaram-se composições de Robert Schumann (1810-1856) e Henry Vieuxtemps (1820-1881)


Rio de Janeiro. O Instituto Cultural D. Isabel I (IDII) lançou edição especial de sua revista Resgate. Entre os artigos publicados encontram-se textos referentes ao Museu Imperial nos seus 77 anos, à disponibilização on-line do seu acervo e à D. Thereza Christina. Comunica-se que o decano do instituto foi nomeado a membro honorário da Academia Brasileira de Defesa.


São Paulo. O Prof. Dr. J. Gerardo M. Guimarães, conselheiro da A.B.E., comunica que participará do V Congresso Internacional do Romanceiro a realizar-se de 22 a 24 de junho em Coimbra, onde tratará do tema „A influência ibérica no romanceiro popular brasileiro“.


_____________________________________________________________



05.03.2017


Notícias do mês de fevereiro de 2017


- Mainz/Alemanha. O Rio no carnaval da Mogúncia. A cidade de Mainz, capital do estado alemão da Renânia/Palatinado é  um dos grandes centros do carnaval  europeu. Como importante centro do catolicismo alemão e de tradições católicas, famosa pela sua catedral, compete com o carnaval de outras cidades da região do Reno, em particular com o de Colonia e de Düsseldorf.


Os estudos comparados de tradições carnavalescas ou de entrudo (Fastnacht, Fasching) que vêm sendo desenvolvidos nos estudos culturais euro-brasileiros por folcloristas e etnólogos desde a década de 1970 não podem assim deixar de considerar os festejos de carnaval que, apesar das similaridades, apresentam diferenças nas várias cidades e regiões.


Após ter a A.B.E. promovido viagens de estudos a vários centros de tradições carnavalescas no sul da Alemanha, em particular na Floresta Negra, em 2016, distintas sob muitos aspectos daquelas da região do Reno, resolveu-se considerar com mais atenção o cortejo do corrente ano da Mogúncia.


Estas se distinguem sobretudo pelo teor de crítica político-social de seus carros alegóricos e pelo conteúdo crítico de suas proclamações. Muito mais do que as mensagens satíricas de cortejos de Colonia ou de Düsseldorf, as representações de Mainz se referem de forma mais mordaz a personalidades e fatos da atualidade.


Muitos são os aspectos que permitem cotejos com os carnavais de Colonia e Düsseldorf e que se explicam historicamente. As reformas do século XIX, com a introdução de sessões e o grande cortejo de segunda-feira de carnaval, de representações caricatas da antiga ordem militar e civil com guardas uniformizadas, com similares gritos de carnaval (Helau) e sobretudo o papel de difusão exercido pelas grandes empresas de rádio e televisão ali situadas explicam similaridades e permitem análises de transformações.


Entre estas, salienta-se a influência do carnaval brasileiro, em particular de grupos de samba. No presente ano, o Rio de Janeiro esteve presente como um dos temas críticos de carros alegóricos relativos à Olimpíada. Em grandes dizeres e em figuras, a sociedade Mainzer Carneval-Verein de 1838 criticou o doping de atlletas e a concessão de algumas medalhas.



-Mainz/Alemanha. O santuário de Isis e Mater Magna na sua importância para estudos do sincretismo da Antiguidade tardia. A Mogúncia, entre as muitas razões que justificam a sua particular consideração nos estudos culturais relacionados com o Brasil salienta-se sobretudo pelos fundos arqueológicos que abriga.


Como sede de uma legião romana, a localidade de Mogontiacum à beira do Reno tornou-se um centro de interações culturais possibilitado pela presença de soldados vindos das mais longínquas regiões do Império. A influência africana, explicável pelo papel desempenhado por Alexandria à época da casa imperial flavínia, aliada àquelas do Oriente Próximo, em particular da Síria, manifesta-se na importância do culto da deusa Isis sincretizada com Mater Magna na região marcada pelas águas do grande rio, mantido vivo por ex-escravos ou libertos.


O sincretismo afro-asiático com concepções greco-romanas apenas tornou-se possível devido à capacidade intrínseca de harmonizações do próprio sistema cultural de concepções e imagens.


O santuário da grande mãe ou rainha das águas, a Panthea, manteve o seu significado de culto até fins do século III. Com essas concepções relacionavam-se aquelas das Saturnálias, conhecidas de outras regiões. Os restos arqueológicos foram descobertos em 1999 com a construção de uma galeria comercial, sendo hoje apresentados em museu. Os objetos documentam práticas mágicas - tais como o do uso de  bonecas com orifícios que indicam o uso de alfinetes, além de tábuas com maldições. O sistro, instrumento simbólico da divindade, testemunha o significado músico-cultural das concepções nas suas relações com os elementos e o movimento ascensorial do ano do hesmisfério norte. Os estudos promovidos em fevereiro de 2017 pela A.B.E. retomaram, no santuário de Isis/Mater Magna da Mogúncia, à luz das festividades do carnaval do corrente ano, estudos de fundamentos culturais que vêem sendo desenvolvidos em diferentes contextos do Brasil, da África, da Europa e da Ásia nas últimas décadas.



- Strasbourg/Straßburg/França. Visita a instituições da „capital da Europa“ na Alsácia: 60 anos de democracia cultural - a cultura como coração e alma da democracia. A grave crise européia do presente, acompanhada por questionamentos quanto ao papel da União Européia e por tendências de revalorização de estados nacionais não pode deixar de ser considerada com especial atenção nos estudos de processos culturais em relações internacionais.


À luz desses desenvolvimentos da atualidade, a A.B.E. tem dedicado vários de seus ciclos de estudos à discussão de questões e perspectivas que pareciam estar já há muito superadas. A revista Brasil-Europa vem publicando nos seus últimos números vários relatos desses estudos.


Dando prosseguimento a esses esforços reflexivos, promoveu-se uma visita à cidade que é conhecida como „capital da Europa“ devido ao número de instituições européias que abriga, entre elas o Conselho da Europa, o Parlamento Europeu e o Tribunal Europeu de Direitos Humanos. Sobretudo as instituições voltadas aos Direitos do Homem mereceram particular consideração como ponto de partida de estudos que serão desenvolvidos no decorrer do ano.


O Conselho da Europa  é a principal organização de defesa dos direitos do homem do continente, contando com 47 estados-membros, entre êles os 28 países da União Européia.  Em cartaz comemorativo da exposição, lembra-se que a cultura desempenha um papel fundamental na compreensão do outro e no respeito à diversidade. Por essa razão, desde 1954, o Conselho da Europa adota a convenção cultural européia que organiza a cooperação em nível de toda a Europa nos domínios da cultura, da educação, da juventude, do esporte, das línguas e da transmissão de valores comuns.


Seguindo a adoção em 2008 do „livero branco sobre o diálogo intercultural“, o Conselho lançou vários programas para a formação de professores, a proteção de minorias e a coesão social. A „Autobiografia de encontros interculturais“ permite refletir sobre experiências pessoais vivenciadas. Quanto aos itinerários culturais, lembra-se que dese 1987, com o lançamento dos Caminhos de S. Tiago de Compostela, o Conselho favoreceu os intercâmbios através de fronteiras e o diálogo graças a 26 itinerários culturais, entre eles temas como „a rota dos fenícios“, „o patrimônio judaico“, „a cerâmica“, „Mozart“ e „a Hansa“.


As exposições de arte, iniciatadas em 1954, ilustram os movimentos, personalidades e manifestações. A 30a. exposição, „Soif de liberté. L‘art en Europe depuis 1945“, apresenta artistas que tratam da liberdade, dos direitos do homem e da democracia (Berlim, Milão, Tallinn e Cracóvia).


Uma particular atenção foi dada à arquitetura e à disposição urbana dos edifícios de instituições européias de Straßbourg. Em geral altamente decepcionantes - a área não apresenta qualidades urbanas, estéticas e mesmo funcionais, as concepções arquitetônicas parecem ate mesmo contradizer intenções fundamentais, levantando questões que parecem vir de encontro às críticas atuais relativas a instituições que se teriam tornado por demais burocráticas e distantes das bases.



- Paris. 40 anos do Centre Pompidou. Celebra-se, no corrente ano, com grande e diversificada programação, os 40 anos do Centro Pompidou de Paris. Em exposições, concertos, espetáculos de teatro, de dança e encontros, levados a efeitos em mais de 40 cidades da França, salienta-se o papel desempenhado por esse centro de tão discutida e questionável arquitetura na história da criação artística das últimas décadas.


Os 40 anos do Centre Pompidou são festejados como uma celebração da criação artística de toda a França, manifestando a vitalidade das instituições culturais do país, os intercâmbios institucionais e pessoais, assim como projetos comuns. Das regiões do ultramar, destaca-se a Martinica como sede de uma exposição de obras da coleção do Musée National d‘Art moderne.


O programa temático diz respeito à pintura abstrata não-geométrica na França posterior à Guerra, entre 1945 e 1965. Esse projeto adquire particular interesse sob o aspecto dos estudos culturais em relações internacionais com o mundo extra-europeu, em particular à luz dos estudos coloniais e pós-coloniais.


A A.B.E. promoveu uma revisita ao Centre Pompidou  por ocasião dos seus 40 anos em recordação do significado que desempenhou exposição por ocasião dos 40 anos da morte de Jean Cocteau (19889-1963) em 2003 nos trabalhos euro-brasileiros referentes à arte, literatura e sobretudo à música no período posterior à Primeira Guerra Mundial. Os resultados dessa recapitulação a partir das celebrações atuais serão relatados no próximo número da Revista Brasil-Europa.



- Paris. O ano Olier de 2017: significado de Jean-Jacques Olier (1608-1657), do seminário de S. Sulpice e da „École française“ de espiritualidade para o Brasil. Abriu-se, no dia 22 de Janeiro, na festa de patrocínio de S. Sulpice, o ano dedicado ao fundador do seminário, Jean-Jacques Olier. A programação inclui várias palestras de teólogos, historiadores e especialistas de arte e música. Entre elas, salienta-se a conferência de Mariel Mazzocco, da Universidade de Genebra, sobre „a simplicidade segundo Jean-Jacques Olier como uma espiritualidade para o nosso tempo“. Sob o aspecto musical e musicológico, distingue-se o concerto de Daniel Roth, com conferência, sobre o tema „Jacques Olier e o órgão“.


Em exposição instalada na grande igreja, lembra-se da história do movimento de reforma católica remontante ao Concilio de Trento e os intentos de melhoria da situação do clero, vista como motivo do enfraquecimento da via espiritual. Saint-Sulpice é apresentado como uma instituição pobre de meios, ligado a uma paróquia mas com vida distinta, como uma comunidade de sacerdotes seculares fomadores, voltados à formação de gerações com vida espiritual sólida, também sob o aspecto intelectual.


Na visita a Saint Sulpice promovida pela A.B.E., lembrou-se do significado do seminário e dos sulpicianos para os estudos de processos culturais relacionados com o continente americano. Retomando-se reflexões levadas a efeito sobretudo em Montreal, Canadá, considerou-se que a irradiação da escola francesa da ascese ou espiritualidade foi também de fundamental significado para a história religioso-cultural do Brasil no século XIX.


_____________________________________________________________



30.01.2017


Notícias do mês de janeiro de 2017


Langewaden/Reno do Norte-Vestfália. Fugitivos e asilantes na Europa da atualidade e a tradição cristã de ética humanitária em relações Brasil-Alemanha - os Cistercienses e o empenho particular. Para a abertura dos trabalhos da A.B.E. de 2017, encetaram-se reflexões sobre um dos maiores problemas sociais e culturais da atualidade: a das migrações de fugitivos de regiões de guerras ou da miséria, tanto na Europa, como no Brasil.


Incluiu-se, nessa iniciativa, uma visita ao mosteiro cistersiense de Langewaden, localidade no estado do Reno do Norte-Vestfália, o único mosteiro masculino na região de Colonia. Uma das razões dessa visita foi o elo entre Langewaden e os cistercienses no Brasil. Em outubro de 2015, o Pe. Prior Bruno, como primeiro representante de Langewaden como Priorado Conventual autônomo, participou do Capítulo Geral em Roma, onde estabeleceu contatos com o Abade Luis Alberto de Itatinga-Hardehausen, também ali presente. O religioso brasileiro, após visitar Himmerod, dirigiu-se a Langewaden.


Este convento insere-se na tradição cisterciense do cultivo da hospitalidade. A ordem monacal beneditina exige do homem atenção a viajantes e peregrinos, assim como amparo a pobres e necessitados. Tanto mais uma pessoa se encontre longe da sua terra, tanto mais merece apoio.


Assim, os cistercienses sentiram como procedimento óbvio oferecer abrigo na medida das suas possibilidades a fugitivos da Síria na situação atual de conflitos.


A visita a Langewaden foi acompanhada por uma recapitulação da história dos Cistercienses e do papel que desempenharam no cultivo de terras em regiões recém-abertas na Europa da Idade Média, assim como das circunstâncias que levaram a ida de Cistercienses ao Brasil. A história e a cultura cisterciense foi já objeto de estudos no âmbito dos estudos culturais euro-brasileiros devido ao significado da sua prática sacro-musical. Entre os conventos visitados na década de 1980, salienta-se o de Marienstatt.


Os conventos da França e da Alemanha sofreram com a Secularização como consequência da Revolução Francesa, assim como aqueles da Europa do Leste tinham sido abalados com a reforma josefinista na Áustria. O último Capítulo Geral, em Citeaux, ocorreu em 1786, sendo esse centro cisterciense extinto em 1791.A restauração deu-se com um Capítulo Geral em Roma, em 1867. O primeiro convento a ser fundado foi o de Marienstatt, em 1888. Entre 1925 e 1927, monges expulsos dos países balcânicos reinstituiram o convento de Himmerod na região de Eifel, visitado várias vezes no âmbito dos estudos euro-brasileiros. Monges de Hardehausen, fundado a partir de Marienstatt em 1927, fugiram para o Brasil em 1938 à época do Nacionalsocialismo. Ali fundaram a Abaia Itatinga. As circunstâncias da Segunda Guerra levaram a fundações no Brasil, na Bolívia, nos EUA e em outros países.



Langewaden é conhecido também no âmbito das relações Alemanha-Brasil devido às atividades caritativas das famílias Berg e Lüderitz voltadas a crianças necessitadas no Brasil, em particular da Creche Menino Jesus de Maringá/Paraná. Para organizar os donativos que angariam, criaram um escritório - o BrasilienBüro -, onde guardam volumosa troca de correspondencia e fotografias de um empenho de mais de duas décadas. Essa iniciativa remonta a uma visita de Simone Lüderitz a um amigo no Brasil, onde constatou a necessidade de ajuda perante a pobreza com que se deparou no país. Como professora de religião e latim, era sensibilizada para atos caritativos, contando nessa sua iniciativa com o apoio de sua mãe e sua irmã, a cantora mezzo-soprano Yvonne Berg. Decidiram-se engajar em projetos de saúde, em particular de crianças, conscientes de que estas representam o futuro do país. As crianças que apoiam no jardim-de-infância de Maringá são de pais pobres, trabalhadores em fábricas de café ou arroz. Na creche, recebem alimentação e tratamento médico, sendo preparadas para a escola.  Entre os meios utilizados para angariar donativos, destacam-se concertos para fins beneficientes de Yvonne Berg, residente em Bayreuth.



Birhoff/Korschenbroich.  Relembrando a tradição hospitalária medieval e suas extensões no Brasil à luz dos problemas da atualidade no Rittergut Birkhoff. O patrimônio Birkhoff, situado em Lüttenglehn, cidade de Korschenbroich no Reno do Norte/Vestfália é um complexo de edifícios, área florestal de proteção natural e campos remontante à Idade Média. No século XIII, a área foi doada para a fundação de um hospital de pobres, sendo este entregue para a Ordem Alemã.


Em 1839, como propriedade particular, teve os seus edifícios reconstruidos em estilo classicista. Em 1905, contrastando com a sua arquitetura, levantou-se uma torre de relógio em estilo Art Nouveau, uma singularidade que salienta o significado histórico-arquitetônico do Birkhoff. Hoje, Birkhoff abriga um campo de golfe, assim como centro de plantas e vegetais, além de cafés e restaurantes que o fazem local procurado para encontros sociais e convenções.


Situando-se próximo de Langewaden, Birkhoff ofereceu-se como local adequado para o prosseguimento das reflexões encetadas no convento cisterciense relativamente à problemática dos fugitivos e asilantes do presente à luz da tradição caritativa cristã. Ali dirigiu-se a atenção aqui em particular à Ordem Alemã da Idade Média e a instituições religiosas de hospitais que mais estreitamente atuaram em regiões extra-européias desde os Descobrimentos, em particular também no Brasil.


_____________________________________________________________




Da correspondência


Maia. Conferência „A Genética da Liderança“. O presidente da Câmara Municipal da Maia, Eng. António Gonçalves Bragança Fernandes, convida à conferência „A Genética da Liderança“ pelo Professor Doutor Manuel Sobrinho Simões no Salão D. Manuel I, no Edifício dos Paços do Concelho. O conferencista é Professor Catedrático de Anatomia Patológica na Faculdade de Medicina da Universiade do Porto e Diretor do IPATIMUP. A Sessão de Abertura registra a participação do Eng. Antonio Silva Tiago, Vice-Presidente da Câmara Municipal da Maia. Como intervenientes, registram-se os nomes do Prof. Doutor Manuel Sobrinho Simões, Eng. Carlos Mendes, Presidente da Associação Empresarial da Maia, Prof. Doutor Domingos Oliveira Silva, Reitor do ISMAI, Dr. Paulo Ramalho, Vereador da C.M. Maia.  A sessão de encerramento esteve sob a direção do Eng. António Bragança Fernandes, Presidente da Câmara Municipal da Maia.


Bonn. Fundação Humboldt: Prêmio Anneliese Maier de pesquisa para a internacionalização das Ciências Humanas e Sociais. Com esse prêmio procura-se fomentar cooperações de pesquisadores de área das Ciências Humas e Sociais da Alemanha com colegas do Exterior. O prêmio é dotado com a soma de 250.000 Euros, a qual deve servir às cooperações no período de até cinco anos. Aptos a nomeações são cientistas de universidades e instituições de pesquisa na Alemanha. Estas terminam no dia 30 de abril de 2017. Até 8 prêmios serão concedios a pesquisadores estrangeiros que apresentem trabalhos reconhecidos internacionalmente. Informações mais pormenorizadas podem ser obtidas através do Bundesministerium für Bildung und Forschung, instituição que financia o prêmio ou através da Internet no site da Fundação Humboldt.


Berlim. Exposição Gerard Winkler Her Comes the Night/Nachtstücke 1999-2016. A galeria Kuckei*Kuckei anuncia a realização de exposição de obras noturnas de Gerard Winkler de 27 de janeiro a 4 de março.


Bruxelas. Trésors Musicaux de la Bibliothèque royale de Belgique: Trio Zadig. A Seção de Música da Biblioteca Nacional da Bélgica comunica a realização do seu primeiro concerto do corrente ano, a realizar-se na série Concerts de midi no dia 17 de fevereiro no Auditorium Arthur De Greef, Mont des Arts, Bruxelles. O concerto estará a cargo do Trio Zadig, atualmente em residência na Chapelle Musicale Reine Élisabeth, formado por Boris Borgolotto, Marc Girard Garcia, Ian Barber. Os ouvintes poderão redescobrir páginas de J. Haydn e R. Schumann.


São Paulo, 19 de janeiro. Estudos da ação de Franciscanos em São Paulo. Isabela Souza, referindo-se a artigo publicado na Revista Brasil-Europa a respeito do convento Santo Antonio do Pari, São Paulo, comunica ter encontrado diploma da Irmandade de Jerusalem entregue por este convento à sua bisavó, pedindo conselhos quanto a caminhos a seguir para o prosseguimento de suas pesquisas.


Rio de Janeiro. Turismo Histórico-Cultural do Rio de Janeiro. O Instituto Cultural D. Isabel I a Redentora informa a respeito do programa de Turismo Histórico-Cultural do Rio de Janeiro „MemoRio“.


Nilópolis. David Jansen Pinheiro Pecis -correspondente da A.B.E. Inscreve-se como membro correspondente da A.B.E. David J. P. Pecis, portador de cidadania italiana, Psicólogo, Licenciado em Psicologia e em Filosofia, Mestre Maçom do Grande Oriente do Brasil, Mestre em Filosofia e Literatura.


Rio de Janeiro. Estudos de Paulo Florence. Andréia Carizzi, musicista do Quarteto Radamés Gnatalli, realizando pesquisa de mestrado a respeito do compositor e sua obra, entra em contado a respeito da Sonata-Fantasia de Paulo Florence, em particular de gravação de concerto realizado em 1997 e 1998 por membros do ISMPS. Paulo Florence e a Sonata Fantasia foram considerados em diferentes ocasiões em conferências, seminários e colóquios promovidos pelo I.S.M.P.S.. Alguns relatos desses trabalhos foram publicados na Revista Brasil-Europa, por último em http://revista.brasil-europa.eu/162/Italianita_Deutschtum_Paulistanidade.html.


Rio de Janeiro. Estudos de música e teatro no Brasil. Tendo lido texto na Revista Brasil-Europa, a Sra. Joana Saraiva entra em contato pedindo informações a respeito de estudos conduzidos sob uma perspectiva intercultural sobre ópera, zarzuela, opereta ou teatro de revistas em meaos do século XIX. Está iniciando um projeto de doutorado em musica na UNIRIO (linha de documentação e historia da musica) que se propõe a investigar a circulação da habanera e sua possível influência no tango, tanto na cidade do Rio de Janeiro quanto em Buenos Aires. No momento, encontra-se na fase de leitura de jornais e periódicos para levantamento de significados, situações e objetos que eram nomeados como habanera nos jornais do Rio, entre 1850-1890. Ao mesmo tempo, está organizando uma listagem de partituras que foram editadas aqui (pelas noticias nos periódicos) e que estão ou não disponíveis  em acervos públicos, que receberam tal designação. Questões relativas à habanera, assim como à ópera, operetas, revistas ou outras foram tratadas em seminários, conferências e colóquios promovidos pelo Instituto de Estudos da Cultura Musical do Espaço de Língua Portuguesa (I.S.M.P.S. e.V.) em cooperação com institutos de musicologia alemães. Esses trabalhos foram precedidos e acompanhados com pesquisas em bibliotecas e acervos do Brasil e de vários países europeus, entre êles na Espanha, na França e na Itália. A propria inaguração do centro de estudos da A.B.E. em Colonia, em 1997, deu-se com a execução instrumental de uma ópera de Henrique Alves de Mesquita (http://www.revista.brasil-europa.eu/121/Alves-de-Mesquita.html). O assunto foi considerado nos seus contextos internacionais no curso História da Música Popular na América Latina na Universidade de Bonn, em 2003/4. Relatos de alguns desses trabalhos foram publicados em números da Revista Brasil-Europa. Ainda no ano passado realizaram-se ciclos de estudos sobre as obras para revistas de ano de A. Carlos Gomes na Itália e na Alemanha, como divulgado em artigos da Revista Brasil-Europa.


Piracaia. Livro João Belisário - O Lampião do Sul de Minas. Walter Cassalho, pesquisador de folclore e historiador, comunica ter enviado para registro na Biblioteca Nacional livro que contém o resultado de suas pesquisas que revelam aspectos até hoje desconhecidos ou pouco considerados da visa social da região sul-mineira.


Coimbra. Publicação sobre a música na Universidade de Coimbra. Amparo Carvas comunica ter em mãos um livro de 677 páginas que se assenta na sua tese de doutoramento e que teve de condensar em alguns pontos.


São Paulo. Gravação de obra de Osvaldo Lacerda. A pianista e pesquisadora Sylvia Maltese comunica a gravação da obra completa para duo de Osvaldo Lacerda e alguns solos. Essas gravações fazem parte de um projeto da COMEP de gravação da obra integral do compositor com vários pianistas sob a liderança de Eudóxia de Barros.


Gerresheim e Linz. Preparativos para exposição sobre o Pe. Petrus Sinzig.Gerda Becler, sobrinha-neta do compositor franciscano, vulto exponente da história da música sacra no Brasil do século XX, comunica a possibilidade de realização de exposição sobre a sua vida e obra em 2018. Essa oportunidade abre-se com a realização de uma exposição anunciada em visita do prefeito da ciade de Linz pelos 800 anos da incorporação da igreja St. Martin no Stift Gerresheim. Para o projeto, coorganizado pela diretora do arquivo, conta-se com documentos e materiais de arquivo do ISMPS/ABE.


_____________________________________________________________


10.01.2017

Notícias do mês de dezembro de 2016


- Gummersbach (Alemanha). Balanço das atividades euro-brasileiras de 2016. Recepção e assembléia de encerramento de 2017 no Centro de estudos Brasil-Europa. Realizou-se, no dia 2 de dezembro, recepção e assembléia de encerramento das atividades de 2017 da Academia Brasil-Europa e do Instituto de Estudos da Cultura Musical do Espaço de Língua Portuguesa (I.S.M.P.S. e.V.).



Dois projetos marcaram de forma acentuada os trabalhos das instituições em 2016: a visita da Villa Brasilia ou Villa Gomes em Lecco no Lago de Como, Itália, e os ciclos de estudos realizados em museus e em antigas missões da Califórnia na costa do Pacífico dos Estados Unidos. Ambos os projetos tiveram como objetivo discutir questões que se tornam atuais perante desenvolvimentos políticos e sociais na Europa e na América do Norte no presente e que levam a uma intensificação de tendências nacionalistas e de crítica imigratória.



Esses desenvolvimentos fazem com que retornem à discussão conceitos, idéias, perspectivas e critérios dos estuos culturais que pareciam estar há muito superados. O nacional na música e o nacionalismo na historiografia musical e no Folclore determinaram por décadas a pesquisa musical em países como o Brasil. Os problemas resultantes para uma análise objetiva de desenvolvimentos levaram já nos anos de 1960 a um movimento de renovação em São Paulo e que posteriormente teve a sua expressão na fundação do ISMPS em 1985. O principal escopo desse movimento foi o da promoção de uma visão direcionada a processos e processualidades na procura de superação de categorizações de objetos de estudos que levavam à distinção de esferas culturas do erudito, popular e folclórico ou a determinações essencialistas de uma linguagem nacional ou nacionalista.


A renovação de conceitos e métodos pareceu então ser necessária a partir, entre outros, da consideração de Antonio Carlos Gomes (1836-1896) como principal compositor brasileiro do século XIX. Ainda que a Protofonia de "Il Guarany" tornara-se quase que um segundo hino nacional, a historiografia nacionalista do século XX apontava criticamente a internacionalidade ou italianidade de sua linguagem musical.
Ao mesmo tempo, porém, o seu centenário na década de 1930, ocorrendo na época do Fascismo italiano e do Estado Novo autoritário no Brasil foi celebrada sob o signo nacional. Dois problemas principais tornaram-se evidentes na literatura sobre o compositor: a projeção anacrônica no passado mais remoto de posições posteriores e interpretações históricas da época que se seguiu à Primeira Guerra e a instrumentalização política de sua obra no sentido de concepções totalitárias e nacionalistas.


O encontro na Villa Gomes em Lecco em 2016 retomou essa discussão à luz de desenvolvimentos atuais. Consideraram-se vários aspectos de sua vida e atividaes na Itália à época do movimento de criação e solidificação do estado nacional nas guerras da independência contra a Áustra-Hungria. Um agradecimento especial foi feito na assembléia ao diretor da escola de música que se encontra hoje instalada na Villa Brasilia por ter colocado à disposição materiais do acervo e pela sua participação nas trocas de idéias e reflexões. Essas voltaram-se aos efeitos dos anelos nacionais italianos e do irredentismo na imigração italiana no Brasil e que marcaram de forma particular a vida musical de São Paulo. Os desenvolvimentos após a primeira guerra, que levaram ao Fascismo, foram ali debatidos a partir das fontes documentais conservadas. Os resultados dos estudos e discussões foram publicados em parte em textos divulgados pela revista eletrônica Brasil-Europa. Nas sessões na Villa Gomes forjaram-se projetos para intercâmbios e novos eventos.


A atenção a Carlos Gomes levou àquela aos Estados Unidos, uma vez que o compositor não só escreveu um hino da independência americana a pedido de Dom Pedro II, como também ali esteve por ocasião de exposições internacionais, alcançando um renome que persiste até o presente. Assim como no Brasil, a imigração italiana foi determinante na vida musical norteamericana, em particular na área da ópera e do teatro musical. O primeiro musical que tematizou o Brasil foi "The Girl from Brazil", uma adaptação da opereta „Die schöne Schwedin“, que exatamente há 100 anos foi representada sob a direção do imigrante napolitano G. Merola. Merola, a principal personalidade da ópera de San Francisco, exemplifica as relações entre essa cidade da costa do Pacífico com o Brasil na primeira metade do século XX.


As relações culturais entre os Estados Unidos e os países românicos da Europa e da América Latina devem, porém ser consideradas nos seus fundamentos de épocas mais remotas da história colonial, que foram tratadas sobretudo naquela da Califórnia. A atividade de Franciscanos espanhóis na missionação dos indígenas da Califórnia adquire hoje particular atualidade. Com a canonização de Frei Junipero Serra O.F.M. pelo Papa Francisco, em 2015, retomou-se uma discussão que já tinha marcado as comemorações do Ano Colombo de 1992. Etnólogos, historiadores, indigenistas e representantes de grupos indígenas salientaram já à época do Congresso Internacional de Musicologia realizado no Rio de Janeiro pela Sociedade Brasileira de Musicologia com o apoio do ISMPS os efeitos problemáticos das mudanças culturais desencadeadas pelas missões.


Nos EUA, voltou-se agora a considerar esses efeitos negativos das atividades dos missionários, que ali agiram por vezes em estreita colaboração com os militares. Em visitas às diferentes missões, salientou-se nos ciclos de estudos diferentes aspectos dessa problemática. Entre êles, discutiu-se as consequências do transplante e formas de culto da tradição popular ibérica e da mística para a via dos missionaos. Considerou-se mais profundamente a extensão da tradição teológico-filosófica da Idade Média no espírito contra-reformatório referenciao pelo Concílio de Trento. Justamente nesse contexto é que se compreende o papel da música na mudança das culturas indígenas, em particular aquele do Canto Gregoriano nas missões franciscanas, o que coloca em nova luz desenvolvimentos paralelos no Brasil. Os resultados os estudos foram divulgados em parte em vários textos publicados na Revista Brasil-Europa.


- Estudos em museus do Uruguai. Entre as conferências proferidas na sessão de encerramento de 2016 da ABE e do ISMPS, destacou-se o relato de visitas a museus do Uruguai de Klaus Jetz, membro da diretoria administrativa da organização. As suas observações foram guiadas pelo escopo de estudos de processos de auto-imagem e identificação nas suas relações com a memória histórica evidenciados nos numerosos museus de Montevideo à luz de questões que levantam no presente.


A sua conferência não só contribuiu à atualização dos estudos euro-brasileiros voltados ao país vizinho e ao Mercosul em geral, como também à reconscientização do papel exercido pelo Uruguai no desenvolvimento dos estudos músico-culturais no Brasil e, em particular, na história do instituto.


A conferência, já publicada em alemão, deverá ser traduzida e divulgada em português pela Revista Brasil-Europa. Na sessão, lembrou-se sobretudo do Instituto Interamericano de Musicologia e do seu fundador e diretor Francisco Curt Lange como uma das personalidades que mais estreitamente colaboraram com o vir-a-ser dos trabalhos euro-brasileiros iniciados na Alemanha em 1974 e com a fundação do ISMPS. e.V.


- Questões de arquivo e conservação de documentos do patrimônio áudio-visual no exemplo do acervo da Deutsche Welle. Michael Hafner, membro da diretoria do ISMPS diretor de arquivo da emissora „A Voz da Alemanha“, estabeleceu uma ponte entre os estudos do arquivo relativo a Carlos Gomes conservado na Villa Brasilia ou Gomes e  aqueles dos acervos das missões californianas promovidos pela ABE em 2016, assim como com os do Uruguai no seu significado para a documentação musical do passado brasileiro com a problemática da era atual marcada pela digitalização.


Na sua exposição, ofereceu um panorama dos objetivos e procedimentos seguidos pela Deutsche Welle no seu trabalho internacional da presença da voz cultural alemã no mundo e das modificações trazidas pelos desenvolvimentos mais recentes, entre êles com a intensificação da imigração no país, que leva a que a emissora também se dirija de forma mais acentuada a contextos nacionais internos.


Para além da globalização, é sobretudo a digitalização que domina as preocupações atuais. A expectativa de que os meios eletrônicos resolveriam de vez problemas de conservação do patrimônio áudio-visual não se concretiza. Grande parte dos esforços de arquivos consiste na contínua redigitalização e adaptação segundo novos meios e desenvolvimentos técnicos para a salvação de materiais. Dessa forma, os arquivos consistentes de documentação impressa não perderam a sua função, ainda que sendo necessariamente ampliados e acompanhados com a sua digitalização.


A exposição tratou de problemas que dizem respeito de perto ao arquivo intercultural da ABE e pelo ISMPS e da renovação por que passa. Essa renovação não tem sido ainda divulgada ao público em geral através do respectivo site da organização, que não tem sido atualizado há muitos anos e que não oferece, assim, um panorama do acervo de documentos, materiais e publicações da ABE e do ISMPS. Antes de atualizar essa presença eletrônica, porém, procura-se uma forma eficaz e coerente de tratamento e apresentação dos problemas teóricos e práticos de trabalhos de arquivo derivados da digitalização.



Rothenburg ob der Tauber. Cidade emblemática da vida popular tradicional e a sua feira natalina. Estudos comparativos de tradições natalinas Brasil-Alemanha. Dando continuidade aos trabalhos comparativos de expressões culturais de ciclos do ano em relações Brasil-Alemanha e que tem levado anualmente à visita de centros particularmente marcados por tradições natalinas nos dois países, a ABE promoveu no corrente ano, entre outras, àquela da „feira de Natal“ da cidade de Rothenburg ob der Tauber.


Esta cidade da Baviera, devido a seu bem conservado patrimônio arquitetônico medieval é não apenas uma das maiores atrações da Alemanha, alvo de visitantes de todo o mundo, também da América Latina, como também uma localidade de grande interesse para estudos culturais sob diversos aspectos. Como motivo de obras de artistas que se dedicaram a fixar cenas populares no século XIX, a cidade desempenha importante papel na história da arte de orientação teórico-cultural e dos estudos da cultura popular.


Foi nesse sentido que Rothenburg ob der Taube foi até hoje considerado nos estudos euro-brasileiros promovidos pela ABE, também em visitas anteriores à cidade,significativa pela sua histórica dança de pastores.



No corrente ano, procurou-se estabelecer uma ponte entre esse papel de Rothenburg ob der Tauber no Romantismo e nos estudos da vida popular - no folclore - por êle marcado e as tradições natalinas manifestadas na feira que tomam as ruas e praças do centro antigo da localidade, interrelacionando motivos de presépio com aqueles de cidade-presépio.





Ottobeuren. 250 anos da basílica. A basílica do mosteiro de Ottobeuren é um dos maiores monumentos arquitetônicos da Europa Central e, pela sua biblioteca, um centro de estudos de excepcional relevância. Visitada já várias vezes no contexto de estudos musicológicos em relações Brasil-Alemanha voltados a questões de fontes históricas, não podia deixar de ser considerada no corrente ano, quando se celebra com vasta programação os seus 250 anos. Em particular para os estudos musicológicos, as abadias do sul da Alemanha adquirem grande significado, bastando lembrar-se o príncipe-abade Martin Gerbert de S. Blasius, com o seu Scriptores Ecclesiastici De Musica Sacra Potissimum (1784).



De um convento familiar criado ao redor de 764 e povoado com monges de S. Gallen e Reichenau, o mosteiro adquiriu independência no decorrer da história, sendo submetido diretamente ao imperador. No século XII ali desenvolveu-.se importante escola de escritores e iluministas. No século XVI, foi um centro do humanismo sul-alemão. No século XVIII, o mosteiro vivenciou um florescimento que se manifesta no esplendor barroco da basílica. Recordou-se, no corrente ano, o papel dos beneditinos na história músico-cultural do Brasil e, sobretudo, do papel dos beneditinos alemães no desenvolvimento dos estudos euro-brasileiros das últimas décadas.









« Notícias anteriores              


























































































































 


para comunicados: Contato

coordenação e redação: Centro de Estudos Brasil-Europa da A.B.E.
Direção geral: Professor Dr. Antonio Alexandre Bispo, Universidade de Colonia, Alemanha





« Notícias anteriores